Smartphone samsung galaxy gran prime duos desbloqueado android 4. 4 tela 5" 8gb 3g wi-fi câmera 8mp tv digital - cinza - único com melhor preço

Vendido e entregue por C&A

Ver o preço deste produto

Tempo restante para atualização de preço. Clique abaixo e obtenha maiores informações sobre o produto na loja C&A!

Realize a compra deste produto com total segurança diretamente na loja C&A.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais!
Detalhes de smartphone samsung galaxy gran prime duos desbloqueado android 4.4 tela 5" 8gb 3g wi-fi câmera 8mp tv digital - cinza - único

Dual SIM 3G Quad Band Android 4.4 Display QHD 5.0" Processador Quad core 1.

2 Ghz Câmera 8 MP/ 5 MP Memória Interna 8 GB Memória RAM 1 GB Slot p/ MSD até 64 GB TV Digital Bateria 2600 mah Garantia 12 meses Fabricante

Especificações

Banda3G 4Band (850/900/1900/2100)
GPRSSim
EDGESim
BluetoothSim
WifiSim
NFCNão
UMTS/WCDMASim
SMSSim
MMSSim
E-mail (convencional)Sim
Push E-mail & Active Sync (Exchange)Sim
Sistema Proprietário PadrãoNão
Windows PhoneNão
SymbianNão
Samsung BADANão
Flash LEDSim
Flash XENONNão
Smile ShotSim
Gravação de VídeoSim
Viva-vozSim
Toques MP3Sim
MP3 PlayerSim
Rádio FMSim
Antena InternaNão
Display SecundárioNão
Vídeo PlayerSim
TV DigitalSim
Download de Jogos e Aplicações (Java)Sim
Online WidgetsSim
Mobile Tracker (U-Track)Não
SOS MessageNão
HardwareSim
Licença (meses)Não
Edição de Documentos (Word, Excel e PPT)Não
Suporte a Cartão Micro SDSim
Micro ChipSim
Nano ChipNão
GPRSSim
EDGESim
WifiSim
Rádio FmSim
MMSSim
Cartão de memória micro SDSim
Conteúdo da EmbalagemCarregador, bateria, fone de ouvido, manual, Cabo de dados.

Não perca a oportunidade de comprar smartphone samsung galaxy gran prime duos desbloqueado android 4.4 tela 5" 8gb 3g wi-fi câmera 8mp tv digital - cinza - único pelo melhor preço!Compre agora diretamente na loja C&A com toda segurança

Quero ir à lojaComprar este produto


informações úteis para comunicações e reuniões

As reuniões estão entre as atividades em que mais se perde tempo e, além disto, causam desgastes e estresse por serem na maioria das vezes frustrantes ou improdutivas. Se você ou sua empresa promovem inúmeras reuniões difíceis de evitar, procure livrar-se daquelas que você julga improdutiva e que tomam grande parte de seu tempo. Geralmente ocorrem muito mais reuniões do que seria necessário, o tempo de duração é muito maior do que seria adequado e a quantidade de participantes vão além do que seria realmente preciso. Também é comum nas empresas e pelos profissionais que delas fazem parte, considerar que a importância de uma pessoa está atrelada à quantidade de reuniões para as quais ela é convocada. Este é um conceito equivocado que gera outras consequências: as pessoas são convocadas sem a devida antecedência para reuniões que não são revelados os objetivos com clareza, a pauta não é apresentada e distribuída previamente, as pessoas não ficam sabendo por que estão sendo convocadas e nem o que se espera delas, não podendo, portanto, se preparar. Ocorrem também problemas com o início das reuniões, já que, normalmente não começam na hora, por atraso de quem as convoca ou de pessoas essenciais que ficam sabendo do compromisso na última hora. Os limites para a duração da reunião não são respeitados. A duração e o conteúdo das intervenções não são controlados. Perde-se um tempo enorme, discutindo questões paralelas. Depois das reuniões nenhum dos participantes tem ideia clara do que ficou resolvido, se é que alguma coisa foi resolvida, nem é informado do andamento das coisas que foram decididas. Antes de marcar ou participar de uma reunião, é necessário analisar sua real participação ou convocação para a mesma: • Qual o objetivo a ser atingido ao final de cada reunião realizada? • Apenas as pessoas necessárias ao objetivo da reunião foram convocadas? • Os objetivos estão alinhados, todos sabem o que se deve alcançar? • A pauta é distribuída com antecedência aos participantes? • Todos estão conscientes que devem contribuir na reunião? • A pauta é revista, fazendo-se as alterações necessárias? • Está definido quem conduzirá a reunião? • É feita a priorização dos assuntos, com limite de tempo para cada um? • A pauta da reunião é seguida e os tempos são cumpridos? • Ao fim de cada pauta é tomada uma decisão? • As responsabilidades de cada pessoa são distribuídas após as decisões? • São estabelecidos prazos para as tarefas a cumprir? • Todos os participantes têm a oportunidade de expressar suas opiniões? • As sugestões são anotadas? • É feita uma avaliação de como a mesma transcorreu, ao seu final? • A avaliação foi considerada como produtiva?




o desafio de vender produtos e serviços na internet

A internet como espaço virtual de transação, para negociação e fechamento de vendas, proporciona o desenvolvimento do comércio eletrônico. Segundo Limeira (2007), nos últimos anos o comércio eletrônico no mercado consumidor cresceu rapidamente no Brasil, atingindo receitas totais de R$ 13,3 bilhões em 2006, incluindo as vendas online de automóveis, pacotes turísticos e bens de consumo. Considerando somente os bens de consumo, o total foi R$ 4,4 bilhões, conforme tabela abaixo. Segundo a Câmara de Comércio Eletrônico, na internet brasileira operavam 2.500 lojas virtuais, com 7 milhões de itens à venda em 2005. A estimativa é que o impacto na economia, considerando vendas online e a influência da internet sobre a compra dos clientes nas lojas físicas possa chegar a R$ 50 bilhões por ano. Esse novo ambiente exige o repensar das práticas tradicionais de negócios e de marketing, dentre elas, a definição de produtos e preços, a estratégia de canal e tipo de relacionamento das empresas com seus parceiros e clientes. Para implantação de um novo modelo de negócio, por exemplo, uma loja virtual para venda de produtos e prestação de serviços pela internet, requer um completo plano estratégico de negócios, incluindo as etapas de análise de mercado e das oportunidades e riscos, definição dos objetivos do negócio e formulação de todas as estratégias e planos operacionais.




empreendedora por escolha

Mãe, esposa e empreendedora, em tempo integral, Polyana Monteiro Maciel de 39 anos, conhecida como Poly, é formada em Ciência Contábeis, trabalhou para a Deloitte Touche Tohmatsu em Auditoria Externa e durante oito anos na TIM (Grupo Telecom Itália Mobile) em Auditoria Interna, Relações com Investidores e por último na área de Marketing. Até que decidiu trabalhar para si mesma e há cinco anos abriu um empresa de Representação Comercial, e como ela mesma diz: “Hoje trabalho comigo mesma”. Vamos conhecer um pouco da história de Poly, uma mulher empreendedora, paciente, determinada, destemida e que através de suas experiências pode nos ajudar a desenvolver nossos sonhos. 1 – A sua profissão era o seu sonho? A princípio sim, me formei porque escolhi o curso de ciências contábeis e ainda na faculdade já trabalhava em auditoria, o que tinha 100% a ver com o meu curso. Depois de anos na área financeira e logo após a passagem pela área de Marketing eu comecei a ver novas possibilidades, além de ter me identificado com a área, com o relacionamento mais direto com as pessoas, com a possibilidade de criar, etc.2 – Como tudo começou? Juntando a identificação com a área comercial, aliada ao meu momento particular em meados de 2009 de tocar meu próprio negócio, decidi sair da iniciativa privada e iniciar meu projeto com Representação. Também queria, muito, dar mais atenção para minha filha Júlia, ter como ficar com ela quando fosse necessário sem ter que justificar minha ausência, fazer meus horários, etc.3 – Como foi o caminho até a realização desse sonho? Bem, nada se iniciou neste ano de 2009. A ideia, eu já vinha maturando na minha cabeça há pelo menos uns dois anos antes. Me recordo de comentar com uma amiga da TIM que teria uma empresa de Representação Comercial e ela achou engraçado, pensou que eu estava “doida” (Risos). Eu não tinha nada muito formatado naquela época, mas acreditava que poderia começar com Representação pelo fato de não necessitar de um investimento financeiro muito alto. 4 – Existiu algum momento, em particular, que você pensou em desistir? A palavra desistir eu diria que é forte demais pra mim. Eu não pensei em desistir, mas confesso que houve momentos em que eu parei e pensei assim: “nossa, como está difícil…”, mas a persistência foi sempre uma aliada. Começar um negócio sozinha, a partir de suas ideias e otimismo também tem seu lado complicado, pois o tempo que leva para as coisas tomarem forma às vezes não é aquele tempo que você planejou. Mas se você desistir logo, não vai chegar onde quer.5 – Você enfrentou algum obstáculo? Se sim, qual ou quais? Sim, com certeza. A começar pela decisão de sair da empresa privada onde a sociedade enxerga isso de uma forma “negativa”, onde você deixa o “certo” pelo “duvidoso”. Nesse ponto as pessoas ficam te questionando: “e foi melhor pra você sair da empresa tal?”, “você vai ganhar mais como Representante?”, enfim, eram tantas perguntas no início que você fica sem entender porque as pessoas precisam saber tanto da sua vida. Poucas foram as pessoas que perguntaram: “Você está mais feliz agora?” Bem, continuando a falar dos obstáculos, teve muitos outros como por exemplo, não ganhar nada durante meses, prospectar clientes, mostrar o produto e eles não quererem comprar, fazer o caminho várias vezes para conseguir. Isso foi o mais difícil. Mas tudo é aprendizado. Depois vamos ficando mais “experientes” e erros que cometíamos no inicio não cometemos mais. 6 – Você teve ajuda de alguém? Se sim, de quem e como foi? Tive sim, Tenho que falar primeiro da minha mãe, que sempre me apoiou e me incentivou a fazer o que me deixasse feliz. Meu pai sempre achou que eu deveria ficar no emprego que já era “certo”. Meu esposo me ajudou muto, pois como falei, quando se inicia um negócio há necessidade de rever os orçamentos, gastar menos, porque não se sabe ainda como será sua “nova” renda. No inicio você só gasta e investe e depois é que chegam os resultados. Fiz assim: durante a maturação do projeto na minha cabeça, eu reservei uma verba para esse início, precisei viajar, ir para feiras e eventos e isso faz parte desse investimento. 7 – Você acredita que seu sonho está completamente realizado? Não! (Risos). Vejo que cheguei mais longe até do que imaginava no princípio. E agora eu quero ainda mais. Continuo cheia de projetos a implantar, partindo desse início com a Representação Comercial. . Já estou, no que eu chamo de uma segunda fase do projeto “trabalhando comigo mesma”. Sempre tenho uma ideia nova, sou inquieta. As coisas vão amadurecendo e tenho visto oportunidades em outros canais e por isso acho que não vou mais parar.8 – O que você almeja conquistas nos próximos cinco anos? Que essa nova etapa, a qual falei, se concretize. Já estou trabalhando nisso. A ideia é que ainda este ano esse projeto já comece a funcionar. 9 – Qual o principal fator para alcançar os seus sonhos? Primeiro, você tem que querer realizar isso que sonha. Em seguida, planejar. Tem que colocar tudo no papel, principalmente orçamento financeiro. Depois tem que colocar a mão na massa (trabalhar) para a coisa acontecer.Passei e passo muitos finais de semana trabalhando em casa, dormindo tarde, mas com um prazer que não tem como descrever. Não acredito em nada sem trabalho e esforço. Nada vem de graça.10 – Como você se define profissionalmente? Sou “teimosa” no bom sentido. Gosto de perseverar naquilo que acredito. Tenho sonhos, mas com os pés no chão, para não ficar só nas nuvens. Não tenho medo do NOVO, nem de APRENDER, nem de ERRAR e se for o caso, de RECOMEÇAR.11 – O que você diria para quem está começando? Diria uma frase que fica em minha mesa há muitos anos e eu leio diariamente: “O que torna um sonho irrealizável é a inércia de quem sonha” Não conheço o autor, mas ela serve demais pra mim nas horas que preciso de uma ajuda para prosseguir. Essa foi a Poly, perseverante, ela continua com seus projetos e sonhando grande, não para de trabalhar e com isso continua crescendo. Espero que essa entrevista sirva de inspiração para os empreendedores e/ou intraempreendedores. A palavra chave para a realização desses sonhos é perseverança, assim como a Poly você também é capaz de realizar seus sonhos, sejam elas profissionais ou pessoais. Apenas continue seguindo em frente e trabalhando duro, tenha coragem, assuma as responsabilidades , aprenda com seus erros e enfrente os seus medos.




erros no processo de vendas

Morris (2005) também adverte quando a possíveis erros no processo de vendas. Explica o autor que, muitas vezes, o representante comercial investe em tempo e recursos para conquistar um novo cliente, sendo que, em alguns casos, após conquistados, cometem-se erros que resultam na perda das vendas ou até mesmo dos clientes. Elencam-se alguns erros que podem vir a comprometer o processo de vendas, que seriam:  - O produto não é entregue ou instalado  - Não se mantém o preço determinado  - Não se entrega o produto no prazo determinado  - Vender e desaparecer O cliente ao fazer uma compra, está investindo em relacionamento com o vendedor. Portanto, este não deve desaparecer ou estará desperdiçando a próxima venda.  - Ignorância dos pequenos detalhes. É importante ater-se aos pequenos detalhes, pois o que é significativo para o cliente, pode não ser para o vendedor.  - Não compreender o cliente.

O vendedor deve conhecer o cliente, suas necessidades, para aí sempre procurar formas de contemplá-las.  - Atingir dois objetivos em três está ótimo. Errado. O vendedor deve atingir os três objetivos: produto, preço e tempo.


O que você encontra no QueroBarato!

Milhões de produtos das melhores lojas

Maiores lojas do Brasil são mais 100 opções

Centenas de Cupons com ótimos descontos

Informações atualizadas de todos os produtos

Quer receber novidades, cupons e ofertas exclusivas?

subir

Pesquise no QueroBarato! e compre diretamente nas maiores lojas do Brasil