Camisa polo infantil azul bebê lisa com melhor preço

Vendido e entregue por Camisaria ColomboFrete Grátis nas compras acima de R$ 99,00

33% OFF
Ver o preço deste produto

Tempo restante para atualização de preço. Clique abaixo e obtenha maiores informações sobre o produto na loja Camisaria Colombo!

Realize a compra deste produto com total segurança diretamente na loja Camisaria Colombo.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais!
Detalhes de camisa polo infantil azul bebê lisa

Camisa ideal para um estilo homenzinho tal pai tal filho. Esta camisa polo de referência 7065 é composta por tecido misto confortável e macio. Vantagens: corte confortável e moderno, praticidade (fácil de lavar e passar), fácil transpiração, não amassa facilmente e alta durabilidade. Use com calça jeans, de sarja ou bermuda. Composição: algodão e poliéster.

Não perca a oportunidade de comprar camisa polo infantil azul bebê lisa pelo melhor preço!Compre agora diretamente na loja Camisaria Colombo com toda segurança

Quero ir à lojaComprar este produto


um olhar diferente para quem tem medo

Quem nunca sentiu medo de alguma coisa? De repente, estar diante de uma situação inesperada, desconhecida, despreparada. O medo pode ser tão interessante e importante que já foi motivo de inúmeros para filosofar desde os primórdios tempos. Fator limitante de riscos, diriam alguns. Fator estimulante ao novo, diriam outros. Como? Dependendo do momento, da história, da maturidade e do próprio fator desencadeante do tal MEDO. Se falarmos do Sentimento, aquele que tem Medo de se Expor. Se falarmos da Morte, aquele que não tem crenças. Se falarmos da Vida, O MEDO é companheiro, mas não amigo da SUPERAÇÃO, aquela que sempre vai além, dá aquele simples passinho, sai da caverna para ver se é mesmo o urso, aquele que vai ser difícil se livrar ou se é só o esquilo sob a luz da Lua fazendo sombra, parecendo um urso. Esse passinho para uns leva um segundo, para outros uma Vida inteira. Existe também, aquele MEDO invisível, orgulhoso, refratário, daquele tipo que não, não é Medo, tem outro nome, fobia, não, é mais simples, falta de tempo para ver isso, vamos mudar de assunto. Outro tipo é o Arrogante, aquele Medo que é meio assim, tem mesmo e daí? Tudo bem, não é? Quem somos nós para dizer que não? Outro O MEDO, o masoquista, fica quietinho, aceita tudo, acha que está certo e é assim mesmo, geralmente, esse é bem amigo da Culpa, que fica lá, não fala nada só olha de vez em quando pra mantê-lo em seu lugar. Buscamos alternativas o tempo todo para desviar ou enfrentar, entender e aprender com eles, esses vários tipos de Medos, que se observarmos temos todos. Às vezes, é mesmo melhor não mexer com ele, deixar ele quieto, esperar o tempo certo de seu dono encontrar a amiga Superação e dar o famoso passinho. O resultado, com certeza, é sempre surpreendente e renovador!




tempo x projetos

Segundo Keelling (2002, p. 8), a fase que compõe um determinado projeto é “um grupo de atividades, relacionadas de forma lógica, e a sua conclusão é marcada pela entrega de um ou mais resultados principais”, como produtos e subprodutos. A definição de um ciclo de vida de um projeto está intrinsecamente ligada ao tipo de produto ou serviço a ser gerado pelo projeto, e está intimamente ligado à inovação tecnológica. A questão da inovação tecnológica é um elemento fundamental nos projetos da atualidade, isto porque a “cada tecnologia que surge para competir e substituir outra, passa por períodos de evolução e sucumbe, ao término de sua vida útil”. (VALAERIANO, 2005, p. 16). O ciclo completo de uma tecnologia, segundo Valeriano (2002), é composto por três fases que são invenção, inovação e utilização. De acordo com o autor: A invenção é a centelha inicial, seja ela um conceito ou uma concepção, um esboço ou um modelo de um novo produto ou serviço, ou até mesmo um considerável aperfeiçoamento daqueles já existentes. A inovação tecnológica é o processo pelo qual uma ideia ou uma invenção é transposta para a economia, ou seja, ela tem início com essa ideia, fazendo-se uso de tecnologias existentes ou buscadas para tanto, até se criar o novo produto ou então até se implantar o novo processo ou serviço e disponibilizá-lo para a produção do bem ou prestação do serviço. A utilização completa o processo com a introdução do produto ou serviço na economia, até que ele seja suplantado por outro, oriundo do ciclo que substitui-lo. (VALERIANO, 2005, p. 16) A evolução de tecnologia pode ser comparada, segundo Valeriano (2002), ao formato da curva de um S, mas com o formato mais alongado. Ele aponta os ramos do ciclo de vida de uma tecnologia: - início, quando a tecnologia parte com pequenos progressos, geralmente com poucas pessoas e parcos recursos envolvidos, até que mais conhecimentos técnicos e científicos permitem maiores avanços, quando então ela se consolida, passando para a fase seguinte. Essa parte poderia corresponder à invenção, com ideias, imaginação e esforço, mas o funcionamento e o uso ou não existem ou são precários; - crescimento exponencial, quando a tecnologia apresenta a capacidade de atender a uma necessidade, tem maior envolvimento de esforços, de recursos e de resultados; - estabilização, quando a aceleração diminui até cessar o crescimento. Neste ponto, a tecnologia atingiu seu máximo valor e, sem a possibilidade de evoluir, é substituída por outras mais eficientes. (VALERIANO, 2005, p. 17) A inovação tecnológica em tempos de globalização envolvem diretamente o ciclo de vida dos produtos com as exigências de pronta entrega e a pressão dos consumidores para qualidade e atendimento. . Neste momento é importante voltarmos a falar sobre o conhecimento, pois quando falamos em tecnologia não podemos deixar de falar em capital intelectual:




curso de análise de crédito e cobrança

No curso de análise de crédito e cobrança do Portal Educação estuda-se as conceitos e variáveis da análise de crédito e da cobrança. Leia abaixo uma transcrição da Wikipédia, que fala sobre os assuntos que trata o curso de análise de crédito e cobrança. "Análise de Crédito é o momento no qual o agente cedente irá avaliar o potencial de retorno do tomador do crédito, bem como, os riscos inerentes à concessão. Tal procedimento é realizado, também, com o objetivo de ser possível identificar os clientes que futuramente poderão não honrar com suas obrigações, acarretando uma situação de risco de caixa à organização. Através da Análise de Crédito será possível identificar se o cliente possui idoneidade e capacidade financeira suficiente para amortizar a dívida que se pretende contrair. Para Schrickel (2000), o principal objetivo da análise de crédito é identificar os riscos nas situações de concessão de valores e evidenciar conclusões quanto à capacidade de amortização do tomador, além de proporcionar recomendações relativas à melhor estruturação e tipo de crédito a conceder. Já para Blatt (1999), os objetivos de uma análise subjetiva de crédito podem ser agrupados em cinco categorias: • Avaliar se um devedor irá honrar com suas dívidas no momento correto; • Avaliar a capacidade de pagamento da dívida (recursos disponíveis); • Determinar a saúde financeira do tomador do crédito (nível de endividamento); • Prioridades dos direitos da empresa credora em relação a outros credores; e • Planejamento financeiro futuro do tomador do crédito." Para saber mais sobre o curso de análise de crédito e cobrança, acesse www.portaleducacao.com.br e inscreva-se. Fonte: Wikipédia, 2008.

Esta apresentação reflete a opinião pessoal do autor sobre o tema, podendo não refletir a posição oficial do Portal Educação.




a comunicação estratégica

Quando se fala em comunicação, o assunto é abrangente, uma vez que tudo é comunicação e todo mundo se comunica. Porém, quando analisamos especificamente a influência da comunicação na gestão de pessoas, o assunto é complexo, é preciso fazer-se entendido pelo outro e isto só acontece se houver uma conexão de mente, corpo e alma, o que tornará o ambiente de trabalho saudável. Percebe-se que o exercício da comunicação torna-se um aprendizado diário, contínuo e permanente. A comunicação é diferente para cada tipo de pessoa, não se deve tratar igual pessoas diferentes, o gestor deve estar atento ao jeito de ser de cada colaborador para que seja assertivo no momento de fazer a comunicação. A prática da gestão ensina que o melhor caminho a seguir, para provocar a sinergia da equipe, é o processo de comunicação transparente e verdadeiro. Ainda assim, é complexo, porque depende da combinação perfeita das palavras, do tom de voz e da linguagem corporal. Além disso, deve haver uma ligação íntima entre o pensamento, a emoção e a ação: o que se fala tem que combinar com o se sente e com o que se faz. O pensamento é algo que sabemos, a emoção é algo que sentimos e a ação é algo que fazemos, é esse conjunto que transforma as palavras em convicção, paixão e credibilidade e cria a conexão entre as pessoas. Quando isso acontece, a gestão passa para um estágio mais avançado que, hoje, denomina-se gestão por confiança. Para se viver esse estágio o gestor não pode ter um minuto de descanso, tem de pensar e respirar o processo de comunicação da equipe. O feedback individual e as reuniões de alinhamento devem ser constantes, pois são importantes para o desenvolvimento da equipe. É preciso tomar muito cuidado com a forma que vai se fazer o feedback e a reunião, para os dois deve haver um planejamento sobre o assunto a ser tratado, a pauta e o tempo de duração. Há de respeitar-se o tempo das pessoas focando sempre no resultado, na solução. A simplicidade deve ser uma das características da comunicação, a fim de tornar leve o dar e receber feedback, é na simplicidade que se alcança todos os níveis funcionais, como disse Da Vinci: “A simplicidade é o máximo da sofisticação”. É impressionante como a presença ou atenção do gestor nos pequenos detalhes e nas tarefas mais simples produz uma grande diferença.Referências bibliográficas: MAXWELL, JOHN C., 1947 - Todos se comunicam, poucos se conectam: desenvolva a comunicação eficaz e potencialize sua carreira na era da cpnectividade/John C. Maxwell; [tradução de Bárbara Coutinho e Leonardo Barroso]. – Rio de Janeiro: Thomas Nelson Brasil, 2010. MOSCOVICI, FELA. Desenvolvimento interpessoal: treinamento em grupo/ Fela Moscovici: - 16 ed. – Rio de Janeiro: José Olympio 2007. PEASE, ALLAN. Desvendando os segredos da linguagem corporal/Allan e Bárbara Pease; [tradução Pedro Jorgensen Junior]. – Rio de Janeiro: Sextante, 2005.


O que você encontra no QueroBarato!

Milhões de produtos das melhores lojas

Maiores lojas do Brasil são mais 100 opções

Centenas de Cupons com ótimos descontos

Informações atualizadas de todos os produtos

Quer receber novidades, cupons e ofertas exclusivas?

subir

Pesquise no QueroBarato! e compre diretamente nas maiores lojas do Brasil