Short tropical com melhor preço

Vendido e entregue por FarFetchFrete Grátis + Entrega Garantida + Devolução Estendida

Ver o preço deste produto

Tempo restante para atualização de preço. Clique abaixo e obtenha maiores informações sobre o produto na loja FarFetch!

Realize a compra deste produto com total segurança diretamente na loja FarFetch.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais!
Detalhes de short tropical

Short tropical verde, Amir Slama. Possui cós elástico e barra arredondada.

Com ar contemporâneo e urbano a nova marca de Amir Slama, que leva seu nome, traz peças exclusivas. Uma minuciosa pesquisa de tecidos, fios, formas e estampas faz parte de todo o processo de desenvolvimento para dar ênfase à modelagem e ao caimento das peças, idealizadas para oferecer conforto, beleza e versatilidade.

A marca possui grande variedade de produtos para mulheres e homens, além de uma linha especial, desenvolvida por estilistas renomados e colegas de Amir, entre eles Gloria Coelho, Valdemar Iódice, Lolitta Hannud, Lilly Sarti, e grifes como John John, UMA e British Colony.

Não perca a oportunidade de comprar short tropical pelo melhor preço!Compre agora diretamente na loja FarFetch com toda segurança

Quero ir à lojaComprar este produto


etapas do processo de gestão estratégica e análise ambiental

etapas do processo de gestão estratégica e análise ambiental

As etapas básicas do processo de gestão estratégica envolvem três pontos fundamentais: 1. O propósito, que responde à pergunta: ‘"O que nós queremos ser?" 2. O ambiente, que responde à pergunta: "O que é permitido fazer?" 3. A capacitação, que responde à pergunta: "O que nós sabemos fazer?" Após a determinação dos pontos fundamentais passaremos a perguntar: "O que nós vamos fazer?" Cabe aqui a colocação da distinção entre planejamento estratégico e gestão estratégica. Essa distinção é decorrente da observação, da experiência e da constatação empírica de pessoas de que planos perfeitos, elaborados pelas empresas mais famosas do mundo ou pelos consultores mais experientes, acabam sendo engavetadas, sem nunca se tornar realidades, e caem no esquecimento, quando não no descrédito. Sabe-se que não basta fazer um bom plano. Por melhor que ele seja, é apenas uma parte, até pequena, do sucesso de qualquer transformação. Planejamento estratégico x gestão estratégica O conceito de gestão estratégica é muito mais amplo que o de planejamento. Engloba desde as avaliações de diagnósticos e de prontidão, a estruturação do processo de planejar e formular um propósito compartilhado para a organização, a escolha de estratégias, a fixação de metas e desafios, até a atribuição de responsabilidades para o detalhamento dos planos e projetos e para conduzir e acompanhar as etapas de sua implantação. A gestão estratégica tem por finalidade assegurar o crescimento, a continuidade e a sobrevivência da instituição, por meio da contínua adequação de sua estratégia, de sua capacitação e de sua estrutura, possibilitando-lhe enfrentar e antecipar-se às mudanças observadas ou previsíveis no seu ambiente. A diferença clássica entre o planejamento estratégico e a gestão estratégica está exatamente na capacidade de fazer com que o cotidiano da empresa realize especificamente as ações estratégicas escolhidas. Dessa maneira, problemas do tipo: contas a pagar de valores muito alto, inadimplência elevada, vendas em queda, reclamações dos clientes, nível de estoque excessivo, mão de obra inadequada, colaboradores desmotivados, etc., fazem parte da gestão diária da empresa. Muitos desses problemas, porém, ocorrem justamente porque, no passado, problemas estratégicos que lhe deram causa não foram formulados e solucionados adequadamente. Assim, podemos estabelecer que a gestão estratégica é responsável por fazer acontecer o planejamento estratégico. Claro que é necessário fazer um planejamento estratégico, mas essa é uma ferramenta que vai orientar a gestão estratégica. No planejamento, colocamos o que deve ser feito; a gestão estratégica fornece subsídios para a criação do planejamento, assim como faz acontecer o que foi proposto no planejamento.




técnicas de padronização para arquivar documentos

técnicas de padronização para arquivar documentos

O padrão estabelecido para arquivar quaisquer documentos torna-se uma técnica fundamental para o profissional de secretariado executivo, visto que este profissional é intermediador de muitos processos, alimentados pela informação que incidem dos documentos. A tecnologia oferece atualmente excelentes soluções para organizar grandes volumes de documentos dos mais variados tipos. O armazenamento de informações consiste em organizar sistematicamente os dados e informações para que estes possam ser consultados de forma eficaz e, ainda, fiquem disponíveis para consultas posteriores, de acordo com a necessidade. Porém, a solução para organizar a informação nem sempre é uma tarefa fácil, exigindo extrema organização e, acima de tudo, deve ser uma tarefa diária para não acumular muitos documentos e deixá-los fora do lugar correto. Quanto mais cresce o volume de documentos, mais informação se perde nos arquivos e na memória dos computadores. Gerenciar as informações é fundamental, pois são todos os dados coletados, organizados e ordenados aos quais são atribuídos significado e contexto. Um arquivo eficiente depende das formas de comunicação utilizadas na empresa e registradas por meio dos documentos guardados para acesso dos vários níveis departamentais da empresa. O profissional secretário executivo é responsável pela manutenção de vários arquivos nas empresas. Isso o torna próximo e conhecedor das informações contidas nos arquivos, bem como dos métodos de organização aplicados aos mesmos. Os bancos de dados (realizados em computadores) e os arquivos tradicionais integram uma vasta lista de técnicas utilizadas para dar suporte ao armazenamento de informações. Atualmente, os bancos de dados são um dos recursos que garantem até mesmo a competitividade, na medida em que eles personalizam as relações cliente/empresa. Para este tipo de arquivamento se deve considerar a fragilidade dos registros da informação que podem ser destruídos por incêndio ou enchentes, como o papel, assim como pelos efeitos magnéticos e radiações, em CDs e disquetes, o que exige cuidados especiais na atualização dos backups.        




humanização do atendimento ao cliente - web contact center e redes sociais

humanização do atendimento ao cliente - web contact center e redes sociais

Um atendimento humanizado é fundamental em qualquer área. Cabe ao operador de Web Contact Center e Redes Sociais desenvolver capacidades avançadas de cordialidade e humanização. Tornar o atendimento significa, entre outras coisas, atingir os patamares mais realizáveis possíveis de satisfação, gerando em todos os envolvidos uma sensação de saciedade total, ou seja, com todas as suas demandas pessoais bem resolvidas. De acordo Kotler (1998) a satisfação é uma sensação de prazer despertada nas pessoas diante de algum resultado positivo intrínseco a cada pessoa. Para ele a pessoa insatisfeita é aquela que não obtém o resultado de acordo com sua expectativa; a pessoa satisfeita é aquela que o resultado condiz com sua expectativa e; a pessoa altamente satisfeita é aquela que os resultados superam suas expectativas. A partir de um alto nível de satisfação é possível criar um vínculo emocional da pessoa, o resultado é o alto grau de fidelidade dos clientes. Entretanto, para que o operador de Web Contact Center e Redes Sociais desenvolva bem o seu trabalho, ele deve exigir de seus superiores algumas condições básicas. Vale ressaltar que essas exigências são sempre para melhorar o faturamento da empresa e não por caprichos pessoais. Já há mais de 100 anos que Frederick Taylor demonstrava que boas condições geram mais lucro. Gama (2009) ainda aponta que uma empresa que pensa em mudar as atitudes dos funcionários positivamente, precisa realizar regularmente pesquisas voltadas para a satisfação dos mesmos para monitorar suas transformações e que a satisfação está ligada aos seguintes fatores, literalmente segundo GAMA (2009, p. 02): *Condições de infraestrutura: neste caso, podem-se avaliar as condições prevalecentes no ambiente de trabalho. Este tópico engloba todos os materiais e equipamentos disponibilizados para o desempenho das tarefas, analisando as condições reais proporcionadas ao funcionário para a realização de suas atividades. *Benefícios fornecidos pela empresa: entendem-se como incentivos internos proporcionados pela empresa aos funcionários com o objetivo de satisfazer às necessidades pessoais destes, proporcionado um ambiente de trabalho mais harmonioso e produtivo. *Relação produtividade-remuneração: nesta situação a recompensa seria conforme a produtividade do funcionário. Assim sendo, quanto maior a produtividade, maior o nível de pagamento; com a recompensa o nível de satisfação com o trabalho tende a aumentar. * Relação chefe funcionário: diversos estudos mostram que há uma relação entre chefe-funcionário. Apesar de o planejamento e as organizações dos setores serem uma função primordial das chefias, é necessário possibilitar aos funcionários condições para a auto expressão.




a gestão da satisfação do cliente

a gestão da satisfação do cliente

Foi no decorrer dos anos 80, segundo BOSS (1994), que as empresas tomaram consciência da importância da satisfação dos clientes como variável-chave dos comportamentos posteriores. Esta evolução deu-se, principalmente, em função do aumento do nível de competição em diversos mercados e também pela introdução do TQC (Total Quality Control) como paradigma de gestão empresarial. Satisfazer os consumidores pode ser compreendido como uma ajuda aos consumidores no sentido de resolver seus próprios problemas, a saciar seus desejos e necessidades, pois o cliente fica satisfeito à medida que a organização supre os seus desejos e necessidades. Segundo Engel (2000) a satisfação dos clientes "... é definida como uma avaliação pós-consumo de que a alternativa escolhida, pelo menos, atende ou excede às expectativas". Para tanto é preciso que a empresa como um todo se volte para o cliente, isto é, que a organização e seus aspectos físicos e de atendimento venha de encontro do bem-estar e satisfação do cliente. Se por um lado o cliente tem necessidades e por outro a empresa busca satisfazê-las. Analisar a satisfação dos consumidores é uma forma de conhecer o ambiente de mercado, visto que é preciso conhecer os pontos fortes e fracos da organização, as opiniões e as atitudes dos consumidores, e as tendências; políticas ou sociais do mercado. As organizações têm que satisfazer as necessidades dos consumidores, e não apenas produzir mercadorias, elas precisam sempre estar atentas às constantes mudanças do mercado; para isso, é preciso monitorá-lo e conhecê-lo, para então conseguir posicionar os seus produtos de forma eficaz. Através do monitoramento direto, uma empresa pode ter noção melhor das expectativas dos consumidores, seu nível de conhecimento e sua disposição de ser treinado, ou mudado. E assim, agir ou responder rapidamente, com o objetivo de desenvolver consumidores satisfeitos. A empresa precisa ter uma mensuração externa por uma ou todas as razões seguintes para administrar o planejamento de se ter em sua estrutura uma gestão de satisfação de clientes: • Satisfação de clientes é frequentemente equiparada a qualidade. • O compromisso por um programa de satisfação de clientes demonstra liderança em uma categoria de negócios. • Mensurações internas de satisfação de clientes podem ser inadequadas ou impróprias. • Ouvindo os clientes, as empresas podem se beneficiar e passar a ser voz ativa no mercado. • Muitos clientes não reclamam abertamente porque podem achar que nada vai ser feito. • Um programa de satisfação de clientes é uma poderosa ferramenta para estimular a melhoria dos produtos ou serviços. • Os concorrentes podem já ter adotado programas de satisfação de clientes bem-sucedidos (VAVRA , 1993). A maioria dos programas de mensuração de satisfação, além de apontar níveis de satisfação, fornece conhecimento a respeito das expectativas dos clientes. Tais programas auxiliam a empresa na priorização de tais expectativas e mudanças que essas possam sofrer, além de permitirem que se conheça o valor das necessidades existentes (VAVRA). Para Vavra (1993), toda empresa que aceita o desafio de pós-marketing deve aplicar-se a oferecer satisfação através de seus produtos e serviços, o que requer conhecimento a respeito das expectativas dos clientes. A TARP (Technical Assistance Research Programs Institute, 1986) segundo Vavra (1993) estima que apenas 01 em 27 clientes insatisfeitos voltará a fazer negócio com uma empresa por iniciativa própria. Existe ainda uma evidência muito forte a respeito do valor de contribuição para o lucro da clientela satisfeita. Estudos mostram que o desempenho financeiro da empresa está relacionado à qualidade percebida dos bens ou serviços de uma empresa. De acordo com Vavra (1993) os relacionamentos bem-sucedidos com clientes exigem prática constante e intensas técnicas de pós-marketing. Um dos esforços mais evidentes é a coleta de informações a respeito dos clientes. O autor sugere como atividade de pós-marketing a elaboração de um programa de mensuração da satisfação do cliente. Tal programa fornece um feedback do cliente referente a qualidade dos produtos ou serviços e sugere caminhos para futuras mudanças e melhorias.


O que você encontra no QueroBarato!

Milhões de produtos das melhores lojas

Maiores lojas do Brasil são mais 100 opções

Centenas de Cupons com ótimos descontos

Informações atualizadas de todos os produtos

Quer receber novidades, cupons e ofertas exclusivas?

subir

Pesquise no QueroBarato! e compre diretamente nas maiores lojas do Brasil