Bermuda pacific blue florida com melhor preço

Vendido e entregue por ZattiniFrete grátis para compras acima de R$ 99,00

Ver o preço deste produto

Tempo restante para atualização de preço. Clique abaixo e obtenha maiores informações sobre o produto na loja Zattini!

Realize a compra deste produto com total segurança diretamente na loja Zattini.

Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais!
Detalhes de bermuda pacific blue florida

Descrição

Trazendo o DNA despojado da marca para o visual masculino, a Bermuda Pacific Blue Florida é uma das apostas da estação. Com um design tropical, combina autenticidade e estilo em ocasiões informais.

  • Nome:   Bermuda Pacific Blue Florida
  • Gênero:   Masculino
  • Indicado para : Dia a Dia
  • Ocasião : Dia a Dia
  • Estilo da Peça : Estampada
  • Modelagem : Reta
  • Bolso : Com bolso
  • Cós : Com passantes
  • Fechamento : Com zíper e botão
  • Material : Algodão
  • Composição : 100% Algodão
  • Dimensões Aproximadas : 36 - Cintura: 38 cm; Comprimento: 47 cm - 38 -Cintura: 40 cm; Comprimento: 49 cm - 40 - Cintura: 42 cm; Comprimento: 51 cm - 42 - Cintura: 44 cm; Comprimento: 53 cm - 44 - Cintura: 46 cm; Comprimento: 55 cm - 46 - Cintura: 48 cm; Comprimento: 57 cm - 48 -Cintura: 50 cm; Comprimento: 59 cm
  • Garantia do Fabricante : Contra defeito de fabricação
  • Origem:   Importado

Não perca a oportunidade de comprar bermuda pacific blue florida pelo melhor preço!Compre agora diretamente na loja Zattini com toda segurança

Quero ir à lojaComprar este produto


já viu o app da anatel para medir a qualidade do serviço de celular?

já viu o app da anatel para medir a qualidade do serviço de celular?

Lembra da época em que a telefonia celular era tecnologia? Pois é, hoje ela não é percebida assim, né? Faz parte do dia a dia de tanta gente que quase ninguém ficar pensando em quantos profissionais, equipamentos e energia são necessários para que o WhatsApp, por exemplo, continue sempre funcionando. Mas olha só que legal: a Anatel, que é a agência reguladora para os serviços de telecomunicações, lançou uma forma de você fica de olho nestes itens. É um app para dar uma força na hora de medir a qualidade dos serviços das operadoras de telefonia móvel.

O aplicativo é dividido em três grandes áreas. A primeira ajuda você a identificar quantas antenas a sua operadora instalou em sua região, a segunda a verificar qual serviço de voz teve menos queda e na terceira o nível de qualidade da rede de dados. Ou seja, tudo o que você precisa, né? São dados importantes para você avaliar se a qualidade do serviço prestado por sua operadora atual ou aquela para qual você está pensando em fazer portabilidade é boa o suficiente na área em que você mora ou trabalha. E você pode ainda fazer comparativos de todas essas variáveis entre as operadoras em gráficos bem legais. Assim, você fica por dentro da qualidade dos serviços prestados mês a mês. O aplicativo está disponível para iOS e Android. E aí? Pronto para conferir a qualidade de sua operadora de celular?




generalizações sobre o uso das vantagens competitivas

generalizações sobre o uso das vantagens competitivas

Fazer generalizações englobando esses dois tipos de vantagem competitiva é uma liberdade intelectual que deixa menos precisa o uso das vantagens competitivas, mas facilita o entendimento e os raciocínios subsequentes. Pode-se dizer que uma vantagem competitiva possibilita à empresa alguns fatores como: • CRESCER em volume de vendas • MELHORAR a empresa para aprofundar a vantagem competitiva e o atendimento ao cliente. • LUCRAR MAIS aumentando preços e dividendos Por incrível que pareça, muitos administradores não sabem determinar quais são precisamente suas vantagens competitivas. As afirmações a seguir, apesar de simples, são muito importantes: • Os administradores devem ter clara consciência das vantagens competitivas de sua empresa sob o risco de, caso contrário, verem desaparecer as vantagens competitivas por imitação pelos concorrentes ou transformações do ambiente empresarial; • Quando uma vantagem competitiva não é utilizada para a empresa crescer, melhorar ou lucrar mais, ela gera desperdício. A partir do momento em que começa a haver desperdício, é difícil corrigir a situação, causando desgaste das gerências e desmotivação nos empregados, o que pode ser transpassado para os clientes. Por isso, vale à pena ter uma boa utilização desde o início, ou seja, assim que se adquire a vantagem competitiva;




comunicação na negociação empresarial

comunicação na negociação empresarial

Negociar bem requer saber se comunicar de maneira eficaz. Sem a comunicação seria impossível aos negociadores se fazerem entender com adequação. Mas só as palavras não são o bastante para construir uma salutar comunicação. É necessário que os negociadores saibam enxergar além das palavras, termos ou expressões, captando as emoções, a ideias, as vontades e as mensagens – seja escrita, verbal ou corporal. Vale lembrar que os dicionários conceituam o ato de comunicar como a habilidade para dialogar, transmitir mensagens, se fazer entender ou construir juízos compreensíveis. E negociação, mais que tudo, requer compreensão e entendimento entre as partes. São exemplos de situações ou atitudes que podem ser exploradas ou contornadas mediante habilidosa comunicação: • Interagir e mediar situações de conflitos sem expor as emoções. • Multiplicar o poder de influência sobre as pessoas. • Transmitir confiança. • Saber ouvir. • Lidar com objeções e trabalhar rejeições. • Quebrar resistências e tensões. • Criar empatia com pessoas difíceis. • Encarar a negociação como uma troca e não como uma batalha. • Dramatizar para ser marcante. • Dinamizar o processo da negociação. É claro que, em nosso dia a dia, existem inúmeras situações diretamente influenciadas pela comunicação eficaz havida entre duas ou mais pessoas. Mas, sobretudo nas negociações, as partes devem ficar atentas ao pilares que dão sustentação a qualquer comunicação eficiente. Assim, segue adiante os preceitos essenciais que cercam a comunicação nas negociações: • Analisar as críticas – o ato de receber uma crítica deve ser inteligentemente contra prestado, ou seja, é preciso ser paciente, educado e humilde para examinar o conteúdo de uma crítica, seja ela pejorativa ou construtiva, pois, de algum modo, geralmente se faz possível extrair das críticas alguns aspectos positivos que geram ideias para o desenvolvimento dos trabalhos. • Clarificar as ideias – antes de externar uma ideia, faça uma auto apreciação para ter ciência de que a concepção sobre o que se pensa está de acordo com o que se deseja transmitir, ou, em outras palavras, certifique-se de que as ideias estejam precisas e claras antes de transmiti-las. • Compartilhar informações – seja democrático e divida os conhecimentos e as informações interessantes com seus auxiliares e, dependendo do conteúdo, até com a outra parte, pois tal iniciativa gera valor para os trabalhos e contribui positivamente para os resultados finais. • Conhecer o ouvinte – antes de expor qualquer ideia, solução ou alternativa importante, esteja certo de que já conhece o perfil dos receptores das informações a serem externadas, pois a adaptação da forma de comunicação aos receptores implica num melhor resultado. Assim, por exemplo, ao perceber que a parte contrária está com pressa, seja mais objetivo; se verificar certo receio, seja atencioso e demonstre ser digno de confiança; se verificar certa tranquilidade da parte oposta, seja minucioso em seus esclarecimentos, etc. • Consultar terceiros – se a negociação for dada em equipe, não deixe de consultar seus membros sobre qualquer tomada de decisão. Se a negociação for individual, não tenha receio de pedir uma pausa para obter uma segunda opinião sobre os temas discutidos, pois, além de ser embasado por outro entendimento, você pode receber o apoio de quem é ouvido. • Demonstrar interesse – para manifestar um interesse pelo discurso alheio não basta saber ouvir, é preciso revelar simpatia pela parte contrária. Para isso, peça detalhes sobre os pontos mais importantes, confirme outros pontos que tenham ficado claros, se dê por sensibilizado pelos problemas apresentados pelo oponente e, por fim, esteja preparado para dar respostas a qualquer instante. • Embasar as ações nas informações – é muito comum ouvirmos o jargão popular “faça o que eu digo, mas não faça o que eu faço”. Nas negociações esse ditado não tem validade. As partes precisam embasar suas ações e atitudes nas informações recebidas da outra parte ou transmitidas a ela, de modo que os procedimentos, os comportamentos e as posturas estejam condizentes com as informações ditas ou recebidas, pois, normalmente, as ações falam mais que as próprias palavras. • Evitar termos técnicos e informais – mesmo que todas as partes de uma negociação tenham a mesma formação profissional, os termos técnicos da administração, da contabilidade, da economia ou do direito devem ser evitados. Da mesma forma, é indicada a eliminação dos regionalismos, das gírias, das linguagens rudes ou grosseiras, entre outras formas que venham atrapalhar a troca de informações entre os negociadores. Todavia, se for necessário empregá-los, confira logo em seguida um esclarecimento da significação dos termos ou expressões empregadas no debate. • Não interromper – quando o outro estiver falando ou argumentando, mesmo que o enredo seja desagradável, é necessário esperá-lo terminar, pois a interrupção demonstra pouco interesse e falta de respeito. Portanto, a menos que seja amplamente necessário, não interrompa o seu opositor. • Dar retornos – em negociação a prática do feedback é tão importante quanto na gestão de pessoas, pois o ato de retornar uma informação quando solicitada pelo outro, além de demonstrar respeito e interesse, também gera um valor agregado ao mérito das diligências negociais. • Saber ouvir – demonstre interesse pelas argumentações das outras partes, ouvindo-as atentamente e sempre procurando lançar mão de um criticismo construtivo. • Ser objetivo – fazer rodeios ou tratar de um assunto sem abordá-lo diretamente deve ser evitado durante os procedimentos negociais, ainda que a mensagem não seja agradável ou oportuna, pois o subterfúgio de uma exposição evasiva pode levar à insatisfação ou mesmo ao rompimento do processo negocial. Portanto, seja claro, prático e bem objetivo ao expor seus argumentos durante uma negociação. • Transmitir bem as mensagens – para tirar o máximo de proveito da transmissão de informações, o negociador deve estar atento à sua postura (firme), ao tom de voz (definido e não agressivo), assim como ao desembaraço (ideias claras). • Verificar a receptividade – eventualmente, faça pausas em seu discurso para obter uma confirmação de que suas informações estão sendo compreendidas pelo outro. Comunicação escrita Na era da informação, na qual os veículos de comunicação evoluem numa velocidade espantosa, a exemplo dos celulares e geladeiras domésticas que mandam e-mail, saber transcrever as ideias que seriam faladas em texto claro e inteligível é muito importante. E como se sabe, as negociações podem ser, em algum momento, edificadas também por via escrita. E nesse caso, além da clarificação das ideias e do veículo utilizado para ensejar uma eficiente troca de informações, o conteúdo, a forma e a linguagem utilizados na exposição escrita representam muito para o sucesso dos atos negociais. Organização das ideias Para que possamos converter as ideias em textos eficazes, precisamos, antes de tudo, estruturá-las e organizá-las de maneira lógica e harmônica. Para isso, veja as dicas adiante: Para organizar as ideias de um texto negocial, tome nota das seguintes atitudes: 1º. Definição do objeto da negociação – na verdade, esse primeiro passo consiste em determinar quais são os objetivos a serem atingidos, pois, dependendo de como o assunto é tratado, as acepções sobre o mesmo pode sofrer distorções. Logo, é preciso ter uma clara noção dos principais pontos a serem abordados no texto negocial. 2º. Rol de ideias – depois que os pontos principais do texto estiverem bem definidos, é hora de relacionar as ideias a serem abordadas. Nesse caso, as opiniões, as comparações, os exemplos, as citações e, principalmente, os números, podem servir de veículos hábeis a sediar tais ideias. Porém, o mais importante é que o negociador tenha a nítida relação daquilo que quer abordar como ideia, sugestão, alternativa, solução, opção ou propostas para o escopo da negociação. 3º. Planejamento – de nada adianta ao negociador produzir um conjunto de ideias para o texto negocial se ele não souber organizá-las e ordená-las conforme as necessidades e prioridades cronológicas. Aqui o negociador deve selecionar aquilo que acha mais importante e despejar uma maior atenção nessas ideias. 4º. Rascunho – antes de produzir o texto final, é plausível que o atento negociador faça uma espécie de esboço do texto negocial, sem qualquer preocupação com a forma, mas apenas no intuito de iniciar a organização das ideias, pois estas, se demoradas para serem arranjadas, podem se perder ou cair no esquecimento. E mesmo não sendo possível produzir um rascunho, o negociador deve, pelo menos, fazer anotações básicas sobre a possível estrutura que o texto pode adotar. Feito o rascunho, é hora de revisá-lo a fim de reorganizar as ideias em suas posições finais (ou quase), sempre em atendimento à harmonia e lógica temporal. Estruturação Um bom texto negocial, a exemplo do que é verificado em qualquer redação dissertativa, deve conter uma introdução, um desenvolvimento e uma conclusão. Isso é básico. E com o texto negocial a ordem das partes não poderia ser diferente, pois, em razão do seu escopo, qual seja convencer a parte receptora de um bom negócio, tal redação deve ser clara, objetiva e muito prática. E assim temos que: 1º. Na introdução o redator deve buscar elementos que despertem o interesse do leitor em continuar a ler o texto, pois será nas primeiras linhas que ele decidirá em continuar ou não a leitura. Demonstre o objeto principal do negócio a ser empreendido, ressaltando em breves palavras as principais vantagens do possível ajuste de vontades. 2º. No desenvolvimento o negociador (redator) deve compor o corpo textual com uma concreta argumentação de todos os pontos levantados na introdução. Essa parte deve ser rica em detalhes, porém não muito extensa, ou seja, é deve conter todos os elementos positivos, mas de forma sintética. Para que o negociador (leitor) se sinta à vontade em sua leitura, o desenvolvimento deve trazer as fundamentações, os pareceres, as informações, os pontos de vistas, os modelos, as afirmações e as justificativas muito bem ordenadas, em que cada ideia necessita ser construída e desenvolvida em parágrafos distintos. 3º. Na conclusão, por sua vez, o negociador (redator) deve sintetizar aquilo que foi abordado na redação, ressaltando as vantagens mútuas de um bom negócio e, aqui lembramos que o primeiro texto negocial não deve evocar a provável posição assumida pelo negociador (redator), o que deverá ser feito nas futuras oportunidades, com a manifestação positiva do negociador (leitor) em dar continuidade ao processo negocial.




humildade

humildade

Humildade é a demonstração de ausência de orgulho, arrogância ou pretensão; é um comportamento autêntico. Pessoas humildes sabem reconhecer seus erros e não têm medo de enaltecer os feitos de outros.

Ao contrário dos arrogantes, sabem que o mérito por bons resultados deve ser dividido de forma justa e não necessitam de autopromoção, pois são pessoas seguras de suas capacidades.

O ego pode de fato interpor-se no caminho e criar barreiras entre os líderes e seus liderados. Os líderes arrogantes que acham que sabem tudo são um estrago para muitas pessoas. Essa arrogância também é uma pretensão desonesta, porque ninguém sabe tudo ou tem tudo.

Certa vez ouvi uma frase que tamanha foi à arrogância do emissor que nunca mais “liderou” ninguém: “Como líder só não sou perfeito porque sou humilde”. Essa pessoa pode ter sido tudo no mundo, menos um líder, quando muito um “chefe”.

Precisamos reconhecer nossas limitações e que sempre precisamos dos outros, uma equipe é uma equipe porque se completam, porque cada um confia no outro e no seu papel dentro da equipe. O ditado do eu acertei e nós erramos não tem espaço na liderança servidora. Vou pegar um exemplo muito conhecido principalmente dos homens.

O técnico de futebol Wanderlei Luxemburgo, sempre que seu time ganha um título ele corre direto para os vestiários e deixa que os louros da vitória sejam dos jogadores do seu time, mas quando perde, fica em campo e recebe cada jogador ao sair do campo.

Certa vez foi questionado isso a ele e a resposta foi, “...eu sou o líder, o comandante e preciso que minha equipe receba todas as manifestações que a vitória e o trabalho bem sucedido oferecem, mas quando a manifestação vem pela derrota, quero que eles saibam que estou ao lado deles e sirvo de pára-raios. Afinal eu sou o líder¨.


O que você encontra no QueroBarato!

Milhões de produtos das melhores lojas

Maiores lojas do Brasil são mais 100 opções

Centenas de Cupons com ótimos descontos

Informações atualizadas de todos os produtos

Quer receber novidades, cupons e ofertas exclusivas?

subir

Pesquise no QueroBarato! e compre diretamente nas maiores lojas do Brasil